Brazil Machinery Solutions

PEIEX lança plataforma online de atendimento à distância




08 - novembro - 2019

O Núcleo está há dois meses em fase piloto e tem previsão para ser inaugurado oficialmente em novembro

O Programa de Qualificação para Exportação (PEIEX) tem agora uma plataforma online para dar suporte e orientar as empresas que já exportam ou querem começar a exportar. A ferramenta será lançada este mês, e a meta é qualificar até 100 fabricantes nos próximos dois anos. O programa é uma iniciativa da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

O Núcleo PEIEX à Distância é executado por meio de uma parceria entre a Apex-Brasil e o Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Ele foi criado para atender empresas de qualquer região do Brasil, qualificando-as para que possam iniciar a comercialização de seus produtos no mercado internacional.

Ainda em fase de testes, o projeto piloto terá seu lançamento oficial neste mês, de acordo com a gerente de Qualificação e Competitividade da Apex-Brasil, Ana Claudia Cunha Barbosa. Ela explica que o atendimento online foi criado para atender as fabricantes que estão localizadas fora da região de alcance dos núcleos físicos de atendimento do PEIEX. 

“O Núcleo PEIEX à Distância vem ao encontro dos anseios da Apex-Brasil em modernizar e tornar seus serviços mais digitais, com menor custo e mais acessíveis aos empresários de todas as regiões, principalmente do interior do Brasil”, ressalta Ana Claudia. A Apex-Brasil tem o compromisso de entregar conhecimento para a empresa ampliar a sua competitividade para o mercado internacional, com menor risco.

A gerente do programa explica que as fabricantes que nunca exportaram têm várias dúvidas, por isso o PEIEX faz quase um papel de consultoria quando o assunto é a internacionalização.

O núcleo operacional do Programa auxilia as empresas a adquirir as competências que precisam para exportar, por meio de atendimento customizado realizados por técnicos em comércio exterior. No plano de trabalho traçado para cada empresa, esses técnicos abordam temas como: acordos comerciais que podem beneficiar os exportadores brasileiros, adequação de embalagem dos produtos para exportação, definição do melhor canal de distribuição internacional, o que são Incoterms, entre outros.

Ana Claudia ressalta que o PEIEX atende empresas de todos os portes e maturidades. As fabricantes devem, somente, estar adequadas a alguns critérios como, por exemplo, possuir CNPJ ativo; ter produto exportável; condições de aumentar sua produção ou dedicar parte dela para atender clientes internacionais.

No primeiro semestre de 2019, o PEIEX atendeu 2.313 empresas de 23 estados, distribuídas entre 30 núcleos operacionais do programa. Desse total de fabricantes, 74% estão na categoria de micro e pequenas empresas, e trabalham com produtos ou serviços de 61 diferentes setores. O segmento com maior número de empresas é o de alimentos e bebidas, seguido de têxtil e confecção, máquinas e equipamentos, móveis e cosméticos.

Encontro de coordenadores

Nos dias 15 e 16 de outubro, a Apex-Brasil promoveu o III Encontro de Coordenadores do PEIEX para estimular o intercâmbio de informações e experiências entre os coordenadores e monitores dos Núcleos PEIEX. Entre os painéis e debates, a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ) palestrou sobre “A promoção da indústria brasileira no mercado internacional”. 

“Esses momentos são extremamente importantes para construirmos uma visão mais estratégica e ampla das dificuldades, das ações de sucesso, das críticas e modelos de relacionamento com instituições parceiras que atuam com esse tema de comércio exterior”, diz a gerente de promoção comercial do Programa Brazil Machinery Solutions, Tábata Silva. Durante o evento, que contou com aproximadamente 60 profissionais líderes de equipes aplicadoras da metodologia do PEIEX, foram apresentadas as ferramentas que a Apex-Brasil oferece de apoio à promoção comercial.

“A palestra da ABIMAQ foi técnica e completa, oferecendo um panorama do setor no Brasil, bem como a sua capacidade de atender clientes em diferentes países”, ressalta Ana Claudia.